HPV no carnaval

O Carnaval é uma época em que as doenças sexualmente transmissíveis aumentam muito, principalmente em virtude da promiscuidade das relações entre pessoas liberadas pelo álcool e outras drogas. Por isso, os especialistas alertam: não façam sexo sem a camisinha, para se preservar de um grande número de doenças, entre elas a AIDS e o vírus HPV, doenças devastadoras tanto para o homem como para a mulher.

Segundo o oncologista/sanitarista Ronaldo Corrêa Silva, da COI - Clinicas Oncológicas Integradas, o HPV é o nome dado a um grupo de vírus (mais de 150 tipos) e alguns destes vírus podem causar doenças no ser humano. Na maior parte das vezes as lesões causadas pelos HPV são limitadas e regridem espontaneamente. Um tipo de lesão frequente causada pelo HPV é a verruga vulgar da pele.

O Dr. Ronaldo explica ainda que existe um subgrupo de vírus HPV que acomete o trato genital feminino e masculino (mais de 40 tipos). Estes vírus podem causar lesões benignas como a verruga venérea ou a "crista de galo", como também lesões malignas (ou pré-malignas).

A principal via de transmissão do HPV que acomete os órgãos genitais é pelo contato direto. O HPV é uma das principais doenças sexualmente transmissíveis no mundo. Acredita-se que 40% dos adultos sexualmente ativos estejam infectados por um ou mais tipos de HPV. A grande maioria das mulheres infectadas pelo HPV terá regressão completa da infecção mesmo sem qualquer tratamento. Um percentual pequeno desenvolverá uma infecção crônica e um percentual ainda menor desenvolverá lesões pré-malignas e câncer do colo do útero.

Os tipos de HPV que podem causar câncer (15 tipos) são chamados de HPV oncogênicos e dois deles, o HPV 16 e 18 são responsáveis por 70% dos cânceres do colo do útero no mundo.

Muito embora a utilização de camisinha não garanta proteção para a infecção do HPV, seu uso diminui o risco de ter câncer do colo do útero. Algumas vacinas previnem a infecção crônica pelos HPV tipo 16 e 18 e são comercializadas em algumas partes do mundo e no Brasil.

Geralmente as infecções pelo HPV são assintomáticas, entretanto o diagnóstico da infecção pelo HPV pode ser feito pelo exame preventivo ginecológico (exame de citologia cervical ou Papanicolaou) ou pela pesquisa de DNA do HPV. Não existe tratamento para infecção pelo HPV, muito embora exista tratamento para as verrugas venéreas e para as lesões pré-malignas e malignas decorrentes da infecção crônica.

Não deixe de conversar com seu médico sobre esta e outras doenças sexualmente transmissíveis e sobre os exames preventivos ginecológicos. E não deixe de se prenevir usando a camisinha em relações sexuais no Carnaval.

 

 Fonte: Site Bolsa de Mulher http://www.bolsademulher.com/sexo/hpv-no-carnaval-104582.html

Acompanhante de Maceió - Travesti

Comentarios

Comentar

  • Não é permitida nenhuma tag HTML

Mais informações sobre as opções de formatação

CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas de spam
Image CAPTCHA
Digite os caracteres que você vê.

Depoimentos recentes

Bruna Lisboa
Eu tive o prazer de estar com essa princesa em Maceió no começo...
1 ano 3 semanas atrás
Bruna Lisboa
É a mesma da foto, muito gata e educada. Recomendo, sabe transar...
1 ano 8 semanas atrás
Jayna, dupla penetração
Quero ver o video
1 ano 41 semanas atrás